SAIU NA IMPRENSA: Mobilização reúne trabalhadores em Getúlio Vargas

O Supremo Tribunal Federal (STF) suspendeu, de forma definitiva, o acordo coletivo dos trabalhadores dos Correios. A pedido da estatal, uma liminar com esse teor já havia sido concedida pelo presidente da Corte, Dias Toffoli, no dia 1º de agosto, mas na sexta-feira (21) o plenário virtual do Supremo formou maioria para confirmar a decisão.

O acordo coletivo havia sido estendido até o fim de 2021 por decisão do Tribunal Superior do Trabalho (TST) em outubro do ano passado, após uma greve de sete dias dos empregados, considerada não abusiva. Ele tinha 79 cláusulas, das quais 70 foram suspensas pelo STF, como 30% do adicional de risco, vale-alimentação, licença-maternidade de 180 dias, auxílio-creche, indenização por morte e auxílio para filhos com necessidades especiais, além de pagamentos como adicional noturno e horas extras.

Com a suspensão do acordo coletivo, os empregados sofrerão descontos na folha de pagamento já a partir deste mês. Em alguns casos, a queda na remuneração pode chegar a 53% conforme um dos coordenadores da greve na região norte do estado, Gelson Luis Zapello.

Agora, os empregados e os Correios terão de negociar um novo acordo coletivo junto ao TST e iniciar uma campanha salarial. Em nota, a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect) lamentou a decisão do STF e disse que o movimento grevista será intensificado. Segundo a entidade, cerca de 70% do efetivo está parado, principalmente setores operacionais, o que significa aproximadamente 70 mil trabalhadores. “Dada a decisão, a categoria não tem outra escolha senão a ampliação da resistência e orientação a todos os sindicatos filiados para encaminharem o endurecimento da greve em todo o país por tempo indeterminado”, disse a entidade.

“Não queremos nem o aumento do salário, queremos a manutenção da cláusula. Estamos tentando buscar o diálogo com o presidente (dos Correios) Floriano Peixoto , porém a direção se nega a negociar. Acreditamos que a empresa pode entrar com um pedido de dissídio, e o julgamento vai acabar novamente no TST. Não tem como escapar desse julgamento, até porque a empresa se nega a conversar com as entidades sindicais”, disse o diretor de Comunicação da Federação Interestadual dos Sindicatos dos Trabalhadores e Trabalhadoras dos Correios (Findect), Douglas Melo.

Nesta terça-feira (25), trabalhadores de toda região se concentraram em frente a agência dos correios em Getúlio Vargas. A cidade escolhida para a manifestação, fica entre Erechim e Passo Fundo e possui 100% dos trabalhadores da agência local com adesão a greve. O ato contou com servidores de Estação, Getúlio Vargas, Erebango, Sertão, Erechim, Passo Fundo, Marau e Soledade.

Após a entrega simbólica de uma carta aberta com os benefícios que podem ser perdidos pelos trabalhadores o grupo fez a doação de alimentos que foram arrecadados. No estado todo haverão ações de solidariedade durante o dia.

Fonte: Portal Tchê (Fotos: Diego Camargo/Portal Tchê)

 

VEJA AQUI TAMBÉM MATÉRIA DA TRIBUNA GETULIENSE

Funcionários do Correios realizam manifestação em Getúlio Vargas

VEJA AQUI O VÍDEO DA ENTREGA DAS DOAÇÕES

Pin It on Pinterest