Live tratou campanha salarial, Covid-19 e outros temas de interesse da categoria

A live realizada pelo SINTECT-RS na noite da terça-feira (30/06), tratou, além da campanha salarial de outros temas de interesse da categoria. A live, transmitida pelo facebook da entidade, contou com a participação dos diretores Evandro e Alexandre e o apoio de outros diretores para garantir que a transmissão ocorresse sem problemas e para atender aos questionamentos dos trabalhadores on line. (Se você não assistiu a LIVE, acesse AQUI). 

No início do encontro virtual foi informado o apoio dos trabalhadores de Correios a dois importantes movimentos de luta em defesa dos direitos da classe trabalhadora: a greve dos entregadores de aplicativos, que ocorreu na quarta-feira (1º/07) em todo o país, e a greve dos metroviários em São Paulo, contra aos desmandos da Prefeitura daquela cidade. 

O diretor Evandro iniciou sua fala lembrando que os ecetistas são referência de luta para diversas categorias, o que aumenta a responsabilidade de apoio a luta destes trabalhadores. “Sempre fomos capazes de mostrar que entramos em várias batalhas e saímos inteiro”, pontuou ele.

Medidas contra o coronavírus

Em seguida, os dirigentes trataram das medidas e ações do Sindicato para tentar garantir a saúde dos trabalhadores frente ao coronavírus. Alexandre lembrou que em março o Sindicato solicitou à empresa, entre diversas medidas, a aplicação de vacina contra gripe em todos os trabalhadores e a medição de temperatura nas unidades e somente agora, no final de junho, a empresa informou que irá atender estas demandas.

Infelizmente, no mesmo dia desta informação (30/06), o Sindicato foi avisado pelos trabalhadores de um surto de coronavírus na unidade da Sertório, com mais duas trabalhadoras afastadas. “Isto é muito grave, porque a Sertório é o maior complexo operacional do Correios, onde atuam muitos trabalhadores diretos e terceirizados. Já notificamos a Vigilância Sanitária, tomamos as medidas judiciais cabíveis e estamos pedindo reunião com a empresa. Estamos aqui para defender a vida dos trabalhadores”, disse o Secretário-Geral. Segundo ele, o Sindicato busca que todos os trabalhadores sejam testados, e não medirá esforços neste sentido. “A empresa já foi comunicada pela vigilância sanitária e estamos aguardando que ações ela vai tomar”.

Canal específico

Alexandre reiterou a importância de os trabalhadores avisarem ao Sindicato o que está acontecendo em relação ao coronavírus e anunciou a criação de um canal específico para monitoramento da Covid-19, sendo garantido o sigilo do trabalhador se ele assim desejar.

Ele frisou também que há divergência do protocolo da empresa em afastar somente o colega do lado e manter os demais trabalhando e lembrou que o primeiro protocolo da empresa falava em afastar todos do setor de trabalho. “É importante que os trabalhadores procurem o Sindicato, para que possamos tomar as medidas necessárias”, frisou ele.

Acrescentando à fala, Evandro destacou que na Sertório já houve três casos e há possibilidade de novas contaminações. Por isso, o Sindicato está pedindo a testagem de 100% dos trabalhadores da unidade, incluindo os terceirizados. “Esconder o vírus só serve para contaminar os colegas, a família. Queremos que o pessoal da saúde faça a testagem. Até quando a empresa vai continuar mentindo e omitindo?”, questionou ele.

Greve ambiental (*)

Ainda em relação ao coronavírus, o SINTECT-RS informou que já tomou medidas necessárias e não descarta a realização de uma greve ambiental, caso a empresa insista em continuar expondo os trabalhadores. “Há uma discussão que a Federação e outros sindicatos estão encaminhando que é a paralisação dos trabalhadores em defesa da sua vida. A greve ambiental é, neste momento, uma importante ferramenta que pode ser usada para garantir nosso direito à vida”.

Sindicalização

Outra questão tratada durante a live foi a importância da sindicalização. Os dirigentes denunciaram o que consideram uma manobra da empresa junto ao STF para fragilizar a luta da categoria e as suas entidades representativas, retirando recursos das entidades.

Evandro, responsável pela Secretaria de Finanças, destacou que a gestão, além de estar garantindo a luta da categoria em várias frentes, jurídicas e políticas, também tem tocado em frente projetos de reformas na sede, em Porto Alegre, e na Colônia de Férias no litoral, com objetivo de atender melhor e com mais conforto os trabalhadores.

Outra novidade é uma sala com computador onde os trabalhadores que precisarem de atendimento jurídico podem fazer, a partir do Sindicato, uma videoconferência com a assessoria jurídica enquanto durar a pandemia. O horário é o mesmo do atendimento presencial, às quartas-feiras, das 15h às 17h.

“Todos os direitos conquistados são para toda a categoria e, portanto, a sustentação da entidade sindical tem que ser responsabilidade de todos os trabalhadores. O trabalhador é movido pela vontade da luta e com ou sem dinheiro faremos a luta e vamos paralisar o Estado se for necessário”, acrescentou Evandro.

O SINTECT-RS também está buscando novas sindicalizações. E, neste sentido, Evandro fez um apelo para que todos os trabalhadores que ainda não são sindicalizados, se associem.

Campanha salarial

Último tema a ser abordado foi a campanha salarial. Foi feito um relato da construção da proposta e destacado que os trabalhadores devem estar atentos a estratégia da empresa. “Historicamente apresentamos a pauta e ficamos esperando semanas, meses, para que a empresa se digne a reunir e dar andamento à negociação. Este ano, a empresa está querendo iniciar imediatamente a negociação, apostando que a categoria não irá se mobilizar e se aproveitando da pandemia.”, acrescentou Alexandre.

Ele também defendeu a forma como a pauta será encaminhada, com a renovação do acordo e acréscimo da cláusula sobre a Covid-19. “Estamos sem nenhuma garantia a partir do dia 1º de agosto, então temos que encaminhar a pauta no mínimo com a manutenção do que temos hoje. Todos os anos nos organizamos, fechamos uma pauta e largamos na direção da empresa, e ela  sempre arrasta o processo. Agora que estamos no meio de uma pandemia, que os trabalhadores estão preocupado com a sua vida, que o governo Bolsonaro toda hora edita medidas provisórias para tirar direitos dos trabalhadores, temos que entender o que a empresa quer: ela quer acabar com nossos direitos”, destacou ele.

Avaliação dos trabalhadores

A pauta construída pela Comissão da Fentect, está sendo encaminhada para ser apreciada pelos trabalhadores através de consulta nos locais de trabalho na quinta e sexta-feira, dias 2 e 3 de julho. Deve ser preenchida uma lista de presença e feita uma ata a serem entregues no Sindicato.  “As bases têm autonomia para fazer adendos, colocar novos itens, mas a direção do Sindicato entende que, neste momento, é necessário garantir o que já temos e debater as mobilizações que serão necessárias para encarar a direção da empresa nesta negociação”.

O Sindicato defendeu, ainda, que seja solicitado a empresa que libere os vídeos com as negociações, já que ela informou que este ano o processo se dará por videoconferência.

(*) GREVE AMBIENTAL – A greve ambiental fundamenta-se na existência de condições inadequadas de trabalho, quando os trabalhadores buscam o cumprimento das normas básicas sobre saúde e segurança do trabalho para afastar os riscos graves e iminentes a que se exponham. O direito de Greve Ambiental está diretamente relacionado ao meio ambiente de trabalho, e pode ser exercido como meio de prevenção e proteção ao direito fundamental do trabalhador à sadia qualidade de vida. Portanto, a legislação brasileira permite, a realização da greve ambiental, quando o meio ambiente de trabalho não assegurar a sadia qualidade de vida, um direito constitucionalmente assegurado em seu favor.

Assessoria de Comunicação

02/07/2020 12:45:08

Pin It on Pinterest