Superintendência e a GERTT acabaram com a Cinesioterapia

A Superintendência e a GERTT são os responsáveis pelo fim da oferta de Cinesioterapia no Complexo da Sertório. Não é verdade que esse tipo de atividade esteja impedido pela pandemia. Até porque a frequência de pessoas já era regulada pelo ritmo de trabalho e os horários variados existentes no Complexo.
A cinesioterapia é um ramo da fisioterapia que se dedica a terapia com movimentos, estes responsáveis pela reabilitação de funções motoras do corpo. Ajuda na recuperação da saúde de lesionados. Contribui para que não tenham que se deslocar para realizar suas fisioterapias.
Na sala anexa ao Complexo da Sertório existe um número de equipamentos, instrumentos e máquinas, ambiente semelhante a uma academia. Inclusive, com profissionais habilitados para auxiliar os trabalhadores que são liberados do trabalho para exercitarem-se.
É verdade que estamos vivendo uma pandemia com infecção entre humanos. Também é verdade que requer restrições, distanciamentos e isolamento social. Mas gostaríamos de lembrar ao Superintendente, a GERTT, de que essas medidas também estão colocadas para as unidades de trabalho.
Acabam com a cinesioterapia, mas, enquanto isso, na própria Sertório, promovem aglomerações, desrespeitam o acordo feito de dois sábados de convocação e um de convite, os chefes não usam a proteção facial em meio aos trabalhadores.
O distanciamento de pelo menos dois metros entre uma pessoa e outra, a higienização do local e dos instrumentos, o uso de proteção facial, a lavagem das mãos, todos os protocolos e recomendações preconizados pelas autoridades sanitárias, pelo Ministério da Saúde e pela Organização Mundial da Saúde (OMS), devem e podem ser garantidos mantendo a cinesioterapia na Unidade.
Só não dá para manter a prática se não houver interesse ou se o objetivo é se aproveitar da pandemia para tirar medidas que beneficiem o trabalhador.

Assessoria de Comunicação

08/05/2020 15:00:43

Pin It on Pinterest