Trabalhadores dos Correios decidem por estado de greve e chamam à greve dia 26

Em assembleia realizada na sede do Sindicato na quarta-feira (12), em Porto Alegre e nas subsedes do Litoral e Pelotas, os trabalhadores de Correios do RS deliberaram pelo estado de greve. A decisão antecipa a assembleia geral de deflagração da greve que será realizada no dia 26 de abril na capital e em todas as subsedes.  Maiores detalhes da organização do movimento e da mobilização para envolver os trabalhadores serão definidas na reunião de delegados sindicais e demais ativistas que será realizada na segunda-feira, dia 17 de abril, às 19 horas, na sede do Sindicato.

Durante a assembleia, depois de ouvir as colocações da direção do Sindicato com uma análise da conjuntura e o contexto em que acontece essa mobilização, e terem a oportunidade de também se manifestar, a categoria definiu pela necessidade e importância da greve da categoria, especialmente frente aos ataques que vem sendo feito aos trabalhadores tanto pela direção da empresa, como pelo governo.       

Neste sentido, até o dia 26 de abril, serão intensificadas as ações junto à categoria e, também, junto a população para esclarecer sobre o movimento dos trabalhadores de Correios.

É bom lembrar que os ataques não são somente contra os trabalhadores, mas atingem a toda a sociedade, quer com o desmonte e privatização da empresa, o que causará demissões e a precarização ainda maior dos serviços prestados à população, quer com a retirada de direitos da classe trabalhadora, como aposentadoria e direitos trabalhistas.

Sindicato chama todos à assembleia do dia 26

Não restam dúvidas quanto à necessidade de uma grande participação da categoria na assembleia geral do dia 26 de abril. Temos que construir uma grande greve para forçar a empresa e o governo a recuar nos ataques aos trabalhadores.

O presidente do Correios, Guilherme Campos, quer fechar agências próprias da ECT em grandes centros urbanos de todos os Estados brasileiros. Ele quer aumentar as tarifas dos serviços de cartas e encomendas. Nossa greve é para evitar retrocessos nos direitos dos trabalhadores de Correios, para dizer um não à direção da empresa que quer acabar com o plano de saúde, privatiza a empresa e demitir trabalhadores. É ainda, para garantir que a população continuará tendo acesso aos serviços dos Correios com qualidade.

Não podemos aceitar passivamente os ataques que temos sofridos ao nosso plano de saúde, as nossas férias e a outros direitos.

A greve é a nossa mais importante ferramenta de luta. E neste momento, onde estamos tendo também nossa aposentadoria e os direitos trabalhistas ameaçados, além da terceirização, que irá causar demissão e rebaixamento nas condições de trabalho, esta greve se faz ainda mais necessária. Os 36 sindicatos do país estão fechados com a greve, como única forma de enfrentar estes ataques que estão destruindo os Correios. Vamos nos organizar nos locais de trabalho para garantir uma forte presença nas assembleias e participação massiva na greve.  DIA 26 TODOS NA ASSEMBLEIA. AGORA É GREVE GERAL POR TEMPO INDETERMINADO.

VAMOS PARAR CONTRA:

Os ataques ao plano de saúde;

A suspensão das férias;

As demissões sem motivação;

O fechamento de agências e CEEs;

A falta de funcionários;

A sobrecarga de serviço;

A privatização dos Correios;

As reformas da Previdência e Trabalhista;

As terceirizações.

 

Assessoria de Comunicação

14/04/2017 22:48:30

X

Pin It on Pinterest

X
Share This