Em assembleia sobre mudança estatutária, trabalhadores aprovam fim da proporcionalidade na eleição do SINTECT-RS

A assembleia geral realizada com o fim específico de debater as alterações do Estatuto do SINTECT-RS, aprovou, entre outras mudanças, o fim da proporcionalidade nas eleições para a escolha da diretoria da entidade. O tema, como já era esperado, foi motivo de intensos e inflamados debates, tanto dos defensores da proposta, como dos que consideravam que a proporcionalidade deveria ser mantida.

A assembleia, realizada na noite de sábado (17), no salão da Igreja da Pompeia, em Porto Alegre, reuniu os debates e propostas acumuladas em sete seminários regionais organizados nas seis subsedes e um em Porto Alegre. A partir destes debates foi construída uma proposta apresentada na assembleia do dia 17, com as alterações que foram definidas.

Na abertura dos debates, a atual secretária-geral do sindicato Elídia Maria da Rosa Machado, se apresentou e destacou que é a primeira mulher a ocupar cargo no SINTECT-RS, um fato simbólico para as trabalhadoras dos Correios e referiu ainda a importância de diretoras mulheres que ocuparam outras secretarias ao longo da história do Sindicato. “Muitas companheiras passaram pelas direções mas nenhuma até o momento no cargo de secretária-geral e devemos ocupar os espaços que também são nossos por direito”, acrescentou.

Segundo a falar, o Secretaria de Políticas Sobre a Diversidade Sexual GLBT, Carlos Messalla, destacou a importância da reforma estatutária para fortalecer a unidade da categoria e resgatar a participação dos trabalhadores na vida sindical.

Em seguida, o Secretário da Questão Racial, Alexandre dos Santos lembrou a reforma trabalhista, as terceirizações, recentemente aprovadas, e a ameaça da reforma da previdência, e destacou que o estatuto do Sindicato precisa refletir estas mudanças no sentido de estar mais forte para defender os direitos dos trabalhadores. “Desde dezembro o Sindicato vem promovendo  a discussão da reforma estatutária com reuniões nos locais de trabalho, com seminários em subsedes e na Capital, com informativos, e agora é a hora de discutirmos coletivamente e tomar as melhores decisões”, destacou.

O Secretaria de Aposentados e Assuntos Previdenciários, Luis Fernando Figueira Lopes, reiterou que a  assembleia era um importante espaço de debates, de divergências e convergências, para construir a unidade da categoria.

Entre as principais mudanças estão:

– a representação passará a incluir os terceirizados;

– percentual de 30% de mulheres nas chapas;

–  realização do Congresso Estadual durante o mandato, nos meses que antecedem a campanha salarial;

– reeleição por mais um período a partir da eleição de 2019;

– também foram estabelecidos parâmetros e regulamentação em relação a sustentação das subsedes, atuação do representante sindical, relação com a FENTECT, liberação dos dirigentes sindicais, entre outros. 

Em breve o sindicato estará disponibilizando a minuta do novo estatuto para conhecimento de todos os trabalhadores.

Moção de repúdio

No início da assembleia, foram passadas informações sobre o assassinato da vereadora do PSol, Marielle Franco e de seu motorista, Anderson Gomes no dia 14  no RJ e aprovada uma moção de repúdio ao assassinato da parlamentar, a intervenção no Rio de Janeiro e ao ataque a democracia, bem como aos demais lutadores sociais. A moção também exige a apuração imediata dos fatos e a responsabilização dos culpados.

Assessoria de Comunicação

18/03/2018 23:52:45

X

Pin It on Pinterest

X
Share This