Com críticas, trabalhadores aprovam a proposta do TST para o ACT 2018/2019

Numa avaliação com críticas a postura da empresa, ao Judiciário e até às Federações, os trabalhadores dos Correios no RS aprovaram, por 108 votos a favor e 87 contrários, a proposta apresentada pelo TST e levada para as assembleias em todo o país na terça-feira (14). Além do RS, outros 33 sindicatos do país aprovaram a proposta. As assembleias foram realizadas na Capital e nas subsedes e o resultado final computou a soma dos votos de todas elas.

No início da assembleia, a mesa apresentou a proposta e fez uma avaliação do cenário da negociação em nível nacional. Em seguida abriu a fala para a categoria, para que os trabalhadores colocassem suas posições. Entre os temas mais citados pelos trabalhadores estiveram questões como fortalecer as mobilizações da categoria, trabalhar a unidade dos trabalhadores, atuação dos delegados sindicais, trabalhar a consciência de classe junto a categoria, somar nas lutas coletivas da classe trabalhadora, entre outros.

Não faltaram críticas à proposta, que de forma alguma atende as expectativas da categoria, mas que apesar de não contemplar os trabalhadores, ainda assim, os poucos avanços foram garantidos somente com a mobilização dos ecetistas, que chegaram a sinalizar com uma greve. Se dependesse da empresa, a reposição não teria sido nem mesmo da inflação, conforme ficou explícito nas duas propostas apresentadas e vários direitos teriam sido retirados, a considerar sua postura na mesa de negociação, onde a ECT tentou fazer valer a reforma trabalhista.

Um dos principais itens de indignação dos trabalhadores diz respeito a situação do plano de saúde, que tem consumido boa parte dos salários. Neste aspecto, no entanto, não houve decisão e o tema será tratado mais tarde pelo TST, já que a parte relacionada ao custeio não está contemplada pela proposta apresentada pelo TST, pois o tema permanece em discussão no Dissídio Coletivo nº 1000295-05.2017.5.00.0000.

Ainda sobre esta questão, houve compromisso das duas Federações (Fentect e Findect), na reunião com o TST no dia 9 de agosto, de ingressar com um Procedimento de Mediação Pré-Processual (PMPP) junto a Vice-Presidência no TST, solicitando a abertura do diálogo em relação ao custeio do Plano.

Os dirigentes do SINTECT-RS, reforçaram, ao final da assembleia, a necessidade de fortalecer a unidade da categoria e o trabalho junto às bases, para as próximas lutas que virão, como o Plano de Saúde que continua na pauta, a luta contra a privatização, pela manutenção de todos os direitos, por melhores condições de trabalho. “Nossa luta não acaba nesta assembleia”, destacaram.

Assessoria de Comunicação

15/08/2018 00:00:22

X

Pin It on Pinterest

X
Share This